Maitairoa em Antibes, Costa Azul Francesa

O Maitairoa é o barco que projetamos e construímos para com ele realizar grandes aventuras. Em 2012 ele está fazendo trinta anos desde que foi para a água. Apesar de todo esse tempo e das muitas travessias oceânicas que realizou, continua tão bem cuidado quanto no dia de sua inauguração.

Maitairoa navegando no Atlântico Sul com Roberto Barros e família a bordo. Essa foto foi tirada do caíque "Coração de Mãe" durante uma calmaria a umas quinhentas milhas da costa da América do Sul, na altura da Patagônia

Sendo um doble-proa de linhas clássicas, mas possuindo uma carena moderna, com quilha tipo fin-keel e leme de espada, ele é um lobo vestido com pele de cordeiro. Enquanto pertenceu a Roberto Barros, realizou cruzeiros oceânicos pelo Atlântico Sul, tendo cruzado o Oceano Austral, navegado pela Patagônia e visitado a maioria das ilhas oceânicas desse oceano. Em 1990 o Maitairoa foi vendido ao geólogo polonês Jerzi Palka, que por razões particulares o vendeu pouco depois à uma amiga nossa, a física argentina Sandra Sautu, que desde a aquisição passou a morar a bordo, na época na Marina da Glória, na cidade do Rio de Janeiro. Ainda na década de noventa ela se transferiu para Trieste, na Itália, e qual não foi o meio de transporte que escolheu para fazer a viagem! Nada menos do que o bravo Maitairoa. Nessa viagem, em companhia de seu amigo Axel, Sandra subiu a costa da América do Sul até o Caribe, atravessou o Atlântico via Açores, em seguida indo para o Mediterrâneo até alcançar Trieste. Terminado seu contrato no renomado laboratório de física daquela cidade, Sandra viajou para Antibes, na Riviera Francesa, onde mora a bordo até hoje em companhia de sua família.

Nosso amigo Max Hammers participou da travessia do Oceano Austral do Rio de Janeiro até Cape Town, a bordo do Maitairoa, no ano de 1985.

Mais de vinte anos depois o Maitairoa estava em tão bom estado como quando ficou pronto. Sandra, que quando adquiriu o barco era solteira, já estava com família estabelecida, a menina Calypso e o garoto Sansom.

Maitairoa trinta anos depois. Sandra cuida tão bem do barco quanto a família Barros cuidava dele quando era novo em folha. A popa de canoa é sua marca registrada e se provou ser um sucesso correndo com o tempo.

As crianças nasceram e cresceram a bordo, mas o Maitairoa continua igualzinho como quando foi feito. Essa foto é de 2012. Os puxadores de bronze das gavetas da mesa ainda são os originais. Também se pode ver uma ponta de um dos dois quadrinhos a óleo que decoravam a antepara do salão no tempo da travessia do Rio a Cape Town.

Calypso e Sansom fazendo o dever de casa no convés do Maitairoa. Esse casal de francesinhos com certeza irá se tornar uma dupla de perfeitos marinheiros

Como nos especializamos em desenhar barcos de cruzeiro que sejam aconchegantes para se morar a bordo, o prazer de nossa amiga Sandra em morar no seu barco nos deixa bastante contentes. E saber tudo o que esse barco já enfrentou é razão dobrada para nos sentirmos realizados.

Nossa grande preocupação quando desenvolvemos um projeto é que os barcos construídos seguindo nossas especificações venham requerer pouca manutenção mesmo quando usados intensivamente. Acreditamos que um barco de cruzeiro não deve ser um produto de consumo descartável, mas que possa ser utilizado por um longo tempo, e isso o Maitairoa está provando ser perfeitamente possível.

Em tempo, Sandradeu um tempo em sua carreira de física, tirou uma carteira de capitão profissional e agora dá aulas de vela e faz um ocasional charter, sempre com o Maitairoa. Seus e-mails são: sautusl@hotmail.com ou sautusl@gmail.com.


Roberto Barros Yacht Design