Temporadas de Ciclones no Pacífico Sul

Furacões, ou ciclones tropicais, acontecem na maior parte dos Oceanos nas regiões tropicais durante o verão, com uma das poucas excessões sendo o Atlântico Sul ( talvez não mais, pois regsitrou-se uma ocorrência no litoral de Santa Catarina ).

Como as áreas de mais interesse para nós em termos de cruzeiro se situam numa faixa de uns 25 graus de latitude para cada lado do equador, bem antes de chegar o verão do hemisfério em que estamos temos que tomar uma decisão de como proceder se estivermos numa área sujeita a tais ciclones, como é o Pacífico Sul.

Durante os anos em que estivemos no Oceano Pacífico com o Green Nomad optamos por várias formas diferentes para lidar com a temporada de furacões, que se chamam de ciclones naquela região.

Na primeira temporada seguimos até a Austrália, e fomos para Brisbane, que fica ao Sul da área de ciclones, de modo que nos afastamos da área de perigo.

Depois de passar 3 anos trabalhando na Austrália retornamos para as ilhas do Pacífico, desta vez tendo que ir contra os ventos alíseos para velejar para Leste.

Com tanta dureza para chegar, decidimos que voltar para o Sul, o que significava Austrália ou Nova Zelândia, não era interessante, e já planejamos que iríamos passar as próximas temporadas de ciclones em torno das áreas afetadas, mas sempre teríamos um plano preparado para a temporada bem em avanço.

Basicamente pode-se optar por três tipos de ação evasiva:

1 – Procurar uma região fora dos trópicos, onde ciclones tropicias não ocrorrem. É a opção preferida pela maioria, mas envolve viagens mais longas ao fim da temporada e por regiões de clima mais instável e traiçoeiro. Também siginifica normalmente a volta a um modo de vida urbano, em cidades e marinas ou ancoragens no meio de cidades.

2 – Procurar uma região próxima ao equador, geralmente a menos de 8 graus de latitude N ou S, tanto faz. É talvez a mais segura, mas ainda envolve uma viagem relativamente grande. O retôrno é que se ganha toda uma nova temporada em lugares lindos e pouco afetados pela loucura do mundo moderno (esta última observação vale para o Pacífico e partes do Índico). É nossa opção preferida.

3 – Ficar na região afetada por ciclones, mas num lugar que ofereça abrigos seguros, os chamados “cyclone holes”.

Um mundo só seu nas ancoragens do Pacífico Sul durante a temporada de ciclones!

Quando o primeiro verão se aproximou, decidimos que iríamos permanecer na Nova Caledônia ( opção 3 ), que tinha nos encantado tanto que era difícil de deixar.

Para tomar tal decisão era preciso avaliar se haveria lugares seguros para nos protegermos caso um ciclone viesse a atingir a Nova Caledônia, e depois de coletar informações com locais e outros navegadores, concluímos que seria possível ficar ali com uma dose de risco aceitável. Não temos, nem nunca tivemos, seguro do barco, de modo que o que estava em jogo era tudo o que possuíamos em termos materiais, além do risco pessoal.

A Nova Caledônia é um território ultramarino da França, e é composta de uma ilha principal, a chamada Grande Terre, e diversas ilhas menores, entre elas a Ile des Pins e as Ilhas Loyauté.

A Grande Terre é circundada quase que inteiramente por uma barreira de corais, e no extremo sudoeste da mesma fica a Ile des Pins, onde passamos a maior parte do tempo antes da temporada de ciclones.

A Ile des Pins ( chamada Kunie na lingua Kanak, dos habitantes nativos ) é um dos paraísos da terra. É difícil lembrar lugar mais bonito dentre todos os que conhecemos. Por isso era difícil tomar a decisão de deixar esse paraíso e rumar para um ponto mais próximo dos bons abrigos, mas por volta de Novembro já rumamos para cerca da área que tínhamos escolhido.

Vista do topo do mastro em Ile des Pins, Nova Caledônia

Entre as diversas opções de abrigo, tínhamos escolhido um sistema de manguezais perto de uma baía chamada Port Laguerre.

Port Laguerre fica a 10 milhas náuticas a NW de Nouméa, a capital, que em si já oferece uma boa proteção, mas não suficiente para ciclones, como tão vivamente seria lembrado a todos ainda naquela temporada.

Carta do Sul de Nova Caledônia, mostrando Port Laguerre ( 1 ) e Ile des Pins (2)

A distância entre Ile des Pins e Port Laguerre é demasiada para ser percorrida em um único dia já que devido aos inúmeros recifes existentes nesta área é aconselhável só navegar durante o dia, e o caminho marcado em vermelho na carta tem cerca de 70 milhas.

Decidimos então que iríamos passar os meses de Dezembro a Maio ancorados entre Nouméa e Baie de Saint Vincent, esta 15 milhas a NW de Port Laguerre.

O porto de Noumea em montagem panorâmica, com a marina de Port Moselle ao centro e a ancoragem à esquerda

Green Nomad, um solitário em Baíe Saint Vincent em Abril de 2003

Como sempre, tínhamos estoque de alimentos a bordo para uns 6 meses, precisando apenas complementar com produtos frescos e peixes, de modo que a maioria do tempo passávamos nas ancoragens num raio de 10 milhas de Port Laguerre, a principal delas a Baíe Papaye, marcada com a âncora na carta abaixo. Dalí podíamos fazer caminhadas maravilhosas nas montanhas, pescar nos recifes na borda da baía, coletar frutas na mata e conchas nas praias, e de noite apreciar um céu estonteante contra as montanhas escarpadas ao fundo.

A ancoragem em  Baíe Papaye e o caminho até o abrigo de ciclones

Green Nomad ancorado em Baíe Papaye

Usávamos o nosso rádio SSB ligado a um notebook para receber cartas sinóticas e cartas meteorológicas transmitidas pelos serviços de meteorologia da Austrália, Nova Zelândia e Hawai ( USCG ). Entre 1200 e 1400 horas chegava a maioría das cartas de interesse, e era parte da rotina ir recebendo essas cartas enquanto almoçávamos. Desse modo tínhamos cerca de uma semana de aviso prévio para algum ciclone que se aproximasse.

No fim de Dezembro decidimos fazer uma verificação a fundo do abrigo, e usando um mapa desenhado à mão que tínhamos copiado, fomos de bote munidos de GPS portátil e uma sonda de prumo (um peso de mergulho amarrado na ponta de um cabo com nós de meio em meio metro) percorrendo o trajeto indicado, anotando profundidades e fazendo waypoints. Isto era necessário porque o canal era muito estreito e, fato incomun nestas paragens, a cor da água não mudava entre o raso e o canal, e o raso era raso mesmo, com cerca de 30 a 40 cm.

Mapa feito à mão mostrando o caminho do abrigo

Veja os baixios na baía de acesso aos mangues! Foto tirada de cima de uma montanha com os óculos de sol polarizados na frente da lente.

Vista do alto com posição do abrigo

Como que para nos satisfazer pelo trabalho feito, no dia 28 de Dezembro de 2002 as cartas mostravam o ciclone Zoe, com ventos constantes de 180 nós, passando pela ilha de Tikopia e com a seta indicativa do movimento apontada bem em cima da Nova Caledônia.

Passamos o final do ano ancorados dentro da baía de Port Laguerre, monitorando a trajetória de Zoe, com outros barcos de amigos, incluindo o catamaran brasileiro Saravá. Muita festa e apreensão, mas no fim não foi necessário entrar nos manguezais.

Em final de Janeiro de 2003 chegou a hora do primeiro teste para valer do abrigo. O ciclone Beni rumava para a Nova Caledônia, e junto com dois barcos de amigos, um Australiano e um Sueco, fomos para dentro dos mangues.

Não era uma decisão fácil de tomar, pois devido á baixa profundidade para passar da baía para o canal dos mangues e com o calado de 1.78 m do Green Nomad ( ponto 4 na carta  que mostra o caminho do abrigo em vermelho ) era necessário esperar pela maré alta que caísse no meio do dia e assim a decisão de entrar ou não podia ter que ser tomada até 5 ou 6 dias antes da passagem prevista do ciclone, e a manobra de amarração era bastante complicada, sem contar que os mosquitos tornavam tudo ainda mais interessante.

Pelo menos não havia crocodilos de água salgada, como nos ciclones que pegamos depois na Austrália, em que eu não sabia se era pior o ciclone nos pegar fora dos mangues ou os crocodilos nos pegarem dentro deles.

Amarrados em companhia de amigos para a passagem do ciclone Beni

Com todos os barcos amarrados, só resta esperar e fazer alguma festa, com os amigos Juergen, do Sea Tramp e Peter e Sandy,  a bordo do Otama Song

Beni passou a 30 milhas ao Sul de Noumea, e muita chuva com ventos de 30 a 35 nós foi tudo o que sentimos.

Mas o treinamento não fora em vão. Em Março o ciclone Érica se formou próximo à costa da Austrália, e começou a ganhar intensidade e se mover num grande arco passando perto das Ilhas Salomão e fazendo uma curva que o apontava bem para Noumea.

A rota do ciclone Érica, que chegou a ter intensidade 5, a máxima, igual ao Katrina que atingiu New Orleans.

Como a lei da sorte manda, era um dos raros períodos em que tínhamos decidido dar uma escapadinha de Baíe Papaye, e estávamos em Baíe de Saint Vincent, 15 milhas a sotavento do abrigo, e soprava de 20 a 25 nós. Barco pesado ( 13 toneladas ) e motor pequeno ( 30 HP ), canal estreito e cheio de recifes, foi hora de fechar os ouvidos e motorar com tudo, avançando a 3 nós.

Desta vez entramos no abrigo com 5 dias de antecedência, e por incrível que pareça, até a manhã anterior ao dia do ciclone éramos o único barco dentro dos mangues. Chegamos a pensar em desistir e sair do abrigo na mesma maré em que entramos, pois a carta sinótica futura da Nova Zelândia previa Érica perdendo intensidade e mudando de rumo.

Mas olhem a foto do satélite, que pegamos 3 anos depois na Austrália. Érica tinha um tamanho assustador, praticamente do tamanho da Grande Terre, que tem 254 milhas de comprimento. A pressão no centro era de 920 Hpa, ventos constantes de 150 nós e rajadas de 190.

Ciclone Érica, um monstro com o olho bem definido. Note a silhueta da Grande Terre a SE do centro do

A preparação envolveu amarrar o barco em 10 pontos nos mangues, com cada cabo passando pelo maior número de raízes possível, retirar tudo o que pudesse voar do convés, como genoa, painéis solares, gerador eólico, biruta, luzes do mastro. Na véspera do ciclone estávamos bem instalados e pudemos ajudar amigos que vieram na última hora. Eles como nós tinham o problema do calado, e precisavam esperar as marés. A última foi às 3 da manhã do dia da passagem de Érica, e eu fui de bote para guiar nosso amigo Edi do Joceba para dentro dos mangues.  Ele tinha calado de quase 2m, e encalhou bem na entrada do canal!. Ninguém mais ia poder entrar!

Mas na verdade ninguém mais tentou à excessão do catamaran de outro amigo, o Mektoub, de Maho e Fanny, que entrou antes.

Uns por impossibilidade, como Jean Michel e Zazá, da Goellete Kyrymba, um grandalhão de aço de 17 metros, na terceira volta ao mundo. Jeanmi e Zazá eram comtemporâneos e amigos de Bernard Moitessier.

Outros por incredulidade ou preguiça. A baía fora dos mangues estava com uns 5 barcos ancorados, na esperança que ali já fosse seguro o suficiente.

O catamaran Saravá já estava nos mangues, mas no canal principal, pois sua boca impedia que entrasse no canal lateral onde estávamos, mais seguro devido a não ser sujeito a correnteza.

Saravá, que não pode entrar no mangue lateral devido à boca , e Kyrymba, que ficou na boca do manguezal devido ao calado muito grande. Precavidos mas os barcos limitaram suas possibilidades de proteção.

Enfim estávamos preparados, tudo amarrado, e só restava esperar e monitorar a situação. A rádio VHF local transmitia boletins regulares com a posição, deslocamento e intensidade do ciclone e também recebíamos mapas pelo fax meteorológico.

O barco estava preparado, mas e nós? Sabíamos o que tinha que ser feito e o fizemos, mas àquela hora nem imaginávamos como seria o vento de um ciclone. Já tínhamos visto 50 nós no mar, mas 150, isso escapava ao senso comum.

Na madrugada anterior começou a cair uma chuva fina, e esta não parou mais até se tornar chuva pesada, que permaneceu até Erica chegar. Pela radio soubemos que Érica estava agora se movendo a quase 20 nós, o que é bastante rápido para um ciclone daquele tamanho. Depois concluímos que isso foi uma grande ajuda, pois limitou o tempo de permanência dos ventos ciclonicos de alta intensidade em um dado lugar, reduzindo os estragos. Houve muito prejuízo nas marinas de Noumea, mas se o ciclone estivesse se movendo à velocidade habitual de 6 a 10 nós, achamos que pouco teria sobrado da comunidade náutica da Nova Caledônia.

Barco amarrado, mas ainda sem o convés arrumado, faltando remover painéis solares, pás de gerador eólico e itens soltos.

Quem estivesse fora do mangue lateral nem via o Green Nomad. Levando a sério a palavra escondido!

O sentido de rotação do ar em torno do centro do ciclone no hemisfério Sul é horário, e como o ciclone se movia para Sudeste, os ventos à frente do mesmo eram de NE, e sua velocidade era decrescida da velocidade de avanço do ciclone. Além disso, as montanhas altas da Grande Terre davam proteção daquele quadrante, de modo que a primeira metade da experiência ainda não ia nos dizer o que é um ciclone. Os ventos subiram de intensidade do setor NE durante toda a manhã, e por volta de 1100 eram bem fortes, estimamos que em mais de 70 nós, mas como o abrigo era digno do nome, ao nível da água nada se passava em nossa volta.

Fotos tiradas antes e durante a passagem do olho do ciclone Érica. Na passagem do olho o tempo e nós ficamos calmos o suficiente para tirar uma foto no timer.

Quando o olho do ciclone se aproximou o vento diminuiu, e quando ele passou por nossa posição pude até sair para o convés e verificar a amarração.
Antes do olho eu às vezes ficava na escada e olhava pelas janelas do dodger (capota rígida ), que eram de vidro temperado. Marli estava na sala, e eu achei que as molduras das prateleiras iam ficar com a marca das unhas dela.

Estávamos sentados no cockpit esperando a segunda metade da tempestade, imaginando quanto tempo ia levar. O aviso foi um escurecimento geral e na aproximação final um ruído grave, como o de um trem vibrando nos trilhos.

Nosso amigo Edi achava que tudo tinha passado e estava no bote indo visitar Maho, e foi pego no pulo, bote virado e tudo, mas estava bem perto do barco.

Eu desci a escada e fiquei espreitando pelo dodger, e de repente milhares de folhas foram arrancadas dos mangues ao mesmo tempo. O barulho foi impressionante, e o barco adernou uns 30 graus.

O ponteiro do barômetro passou pelo fundo de escala e só deve ter parado quando bateu no fim do curso!

Essa parte durou uma meia hora, com rajadas de intensidade variada. Mas ao contrário dos ventos antes da passagem do ciclone, que foram aumentando gradativamente de 20 até os talvez 70 nós antes da chegada do olho, os ventos abateram com grande velocidade depois da passagem do olho.

Nós não temos anemômetro a bordo, mas as medidas tiradas em Nouméa, que fica a 7 milhas dali indicaram 110 nós na rajadas.

Assim que os ventos pararam e a chuva diminuiu saímos para o convés, e tudo estava em ordem, só parecendo que um exército de cortadores de grama tinha esvaziado os sacos de lixo em cima de nós.

Passado o ciclone o nível da água subiu bastante. Notem os dois rolos de cabo de 20mm com 100 metros cada. Muito convenientes para situações de amarração exigentes.

A primeira coisa que pensamos foi ver como estavam os outros barcos. Pegamos o bote e saímos do braço lateral do mangue. Para resumo da estória, fora Kyrymba, que estava quase dentro dos mangues, no canal de acesso, todos os que resolveram ficar fora foram encontrar outro elemento embaixo da quilha.

De todos os barcos ancorados nenhum ficou na água. Todos estavam em terra, fora um catamaran de regata de uns 28 pés, que se reservou o direito de enfrentar o ciclone com mais estilo e leveza, levantando vôo, mas esquecendo de pousar com o casco para cima. No processo perdeu o mastro.

Saravá, que estava no canal principal do mangue, nada sofreu, mas nosso amigo Cacalo disse que as raízes a que estava amarrado foram quebrando uma a uma, e ao fim do ciclone estava preso por apenas um cabo.

Ainda ficamos em Port Laguerre 5 dias, arrumando o barco ( marcamos a corrente de ancora de 10 em 10 metros, aproveitando que ela estava fora da água ) e depois ajudando a puxar os barcos encalhados de volta para a água, com a ajuda de Kyrymba, que tinha um motorzão e dos botes de todo mundo. Amarrávamos as adriças dos barcos numa fila de botes, tipo cabo de guerra. A um certo momento Kyrymba dava toda a máquina e os botes puxavam pela ponta do mastro para adernar mais o barco, e assim um a um voltou para a água.

Quando retornamos a Nouméa a maioria dos naufrágios já tinha sido retirada da baía, mas ainda assim o que vimos parecia um paliteiro de mastros saindo da água.

No caminho, uma visão impressionante. O lado das montanhas que ficava voltado para o Sudoeste, setor dos ventos mais fortes, mostrava todas as folhas de côr marrom, queimadas pelo atrito da água com sal impulsionada pelo vento!

Restos de barcos estavam por todo o lado em Nouméa!

O primeiro e único barco de aço inoxidável que nós vimos quase nem chegou a navegar.

Quando fomos á marina de serviços, o que vimos foi impressionante.

     

Dá para imaginar um barco de aço assim?

Sem discriminação de material, Érica atendeu a todos!

Ainda passamos outros dois mêses em Nova Caledônia, e em Junho seguimos para a Ilha de Tanna, em Vanuatu. Estávamos aliviados por ter passado bem a primeira temporada.

Ou quase, pois no dia 6 de Junho, depois de passarmos uns 2 dias sem olhar os mapas do tempo, resolvemos dar uma espiada e lá estava Gina, ciclone bem formado, bem no norte de Vanuatu e apontado vocês sabem onde, em Tanna.

Essa foi de assustar, pois ali não havia abrigo possível, e a nossa velocidade não ia permitir chegar a nenhum lugar com abrigo em segurança, de modo que se Gina não enfraquecesse e insistisse em nos visitar a solução era pôr tudo que se pudesse de âncoras e dar no pé para terra.

Mas Gina foi bem educada e enfraqueceu e desviou. Deixou, porém, o recado que início de Junho ainda era cêdo para relaxar.

Rotas dos ciclones da temporada de 2003-2003 no Pacífico Sul

No ano seguinte decicimos que não queríamos a companhia de Ginas, Éricas ou seus namorados, e resolvemos passar a temporada em Kiribati, nos atóis do grupo Gilbert, que ficam em torno do equador. Nada de ciclones por lá e uma das experiências de cruzeiro mais recompensadoras que tivemos.

Na temporada depois dessa o lugar escolhido foram as Ilhas Salomão, igualmente lindas e que ficam entre 5 e 8 graus de latitude Sul, fora da área de risco também.

Zazen ( BRA), Green Nomad, Nyathi ( USA) e Joceba ( FRA) nas Ilhas Salomão. Manhã depois da festa numa madrugada calma!

Com isso ficamos 3 anos sem precisar voltar para os grandes centros e tivemos os melhores momentos de nossas vidas, numa vida totalmente natural e descontraída ( fora as marcas de unha nas molduras, malária etc ).

Era hora de voltar para a Astrália e trabalhar de novo, vir ao Brasil para ver a família e estudar novos rumos.

Mas como ficamos em Cairns, no Nordeste da Austrália, a 16 graus de latitude Sul, voltamos a ter que conviver com cartas meteorológicas e ciclones.

E para não perder a prática, o ciclone Larry, o mais destrutivo da história da Austrália, passou a 30 Milhas ao Sul da nossa posição, desviando na última hora e arrassando uma cidade pequena inteiramente, não deixando nenhuma casa de pé.

Tinhamos decidido parar de trabalhar nos três piores meses da temporada e ficar sempre perto dos abrigos, que sondamos do mesmo modo que em Nova Caledônia.

  

Amarrando o barco em Cairns, Austrália. Cada tronco que se mexia me fazia imaginar  um crocodilo com a boca aberta!

Green Nomad já quase pronto para o ciclone Larry

Dessa vez me lembrei muito de Port Laguerre, onde o único problema era o ciclone, pois nos mêses em que ficamos ancorados no rio Trinity, diversas vêzes vimos crocodilos de água salgada nadando próximo ao barco. Ou seja, na hora de passar os cabos pelas raízes dos mangues, qualquer tronco que se mexesse já me fazia imaginar a bocada do crocodilo. Os locais diziam para chegar fazendo um monte de barulho com o bote, bater com o remo na água etc, para assustar os bichos. Não sei se eles se assustaram, mas eu com certeza...

  

Segundo ciclone categoria 5, muitos cabos para guardar mas nenhum estrago!

Luis Manuel Pinho, luisdesenhos@gmail.com, é engenheiro metalurgista e yacht designer com experiência em construção metálica de iates. Com sua esposa, Marli Werner, viajou quase dez anos a bordo de um barco de aço com quilha fixa, o Green Nomad, que ele mesmo construiu na cidade do Rio de Janeiro.

Depois de passar por várias experiências meio assustadoras com passagens de furacões por onde estava estacionado, decidiu vender seu barco na Austrália e viajar para o Brasil com a intenção de construir um novo veleiro, desta vez em alumínio e com quilha pivotável. Sua experiência ensinou que um barco que pudesse reduzir seu calado a apenas a profundidade do casco, teria muito mais facilidade de encontrar um lugar para se proteger durante a passagem de um furacão.

 Sendo um excelente projetista, a B & G Yacht Design (Roberto Barros Yacht Design) convidou-o para fazer parte da equipe, e o primeiro resultado desta parceria é o projeto Kiribati 36, o qual escolheu para ser o seu novo Green Nomad, no momento em fase final de construção em Porto Alegre.

Terminada a construção, Luis Manuel e Marli pretendem retornar ao Pacífico Sul com seu novo barco de alumínio, que daqui para frente deverá ser sua casa e escritório virtual de yacht design, em continuação à parceria iniciada com o Kiribati. Um novo veleiro de 28 pés, o Pop-Alu 28, em breve estará reforçando essa nova linha de projetos.


Roberto Barros Yacht Design