Cartas

Caros amigos,

Não poderia deixar este momento passar em branco e sem uma comemoração: Viva o POP Alu 32 número 1!!

Estou muito feliz com a construção desde barco, que eu espero seja um grande sucesso.
Pelo que vi nas fotos postadas no site do escritório a construção já está de vento em popa, o casco não precisará ser virado, e acho que em poucas semanas teremos um casco pronto!!
Fico muito orgulhoso em poder fazer parte da lista de amigos de vocês e ter sido abençoado por conhecê-los, poder conviver intensamente com cada um individualmente e navegar em um lindo veleiro que tem um pouco da genialidade e do suor de todos vocês.

Por favor, apesar de não ser nem o criador e muito menos o construtor, me permitam comemorar e fazer parte deste momento alegre que vocês vivem.

Abraços e muitas felicidades de um grande admirador e amigo.

Paulo Ayroza Ribeiro

POSTADO POR PAULO AYROZA, 30 DE MAIO DE 2012


Caros amigos,

Gostaria de comemorar com vocês o aniversário de 1 ano do início da busca pelo nosso sonho. Não sei se vocês se lembram, mas foi em abril do ano passado que comprei o projeto junto ao escritório.
E para comemorar nada melhor que iniciar uma nova fase da construção!

Já estamos com a marcenaria a "100 por hora".

Quando puderem entrem no link abaixo para ver algumas fotos recentes da nossa construção.
http://bepaluhe.blogspot.com

Estou cada vez mais contente por ter escolhido um projeto "Cabinho" (Roberto Barros Yacht Design) e por todo apoio que recebi dos Luises, Gouveia e Manuel. A visita a última feira Rio Boat Show, só reforçou a certeza de que o caminho da construção nacional, amadora ou não, ainda é uma das melhores opções; seja pela customização do projeto e construção, como pela possibilidade de programar o orçamento de forma mais tranquila.

Aos amigos Luis e Marli, meu muito obrigado pelo carinho e apoio. Sem vocês, este ano teria sido mais difícil. Desejo aos dois muita paz e pronta recuperação.

Ao amigo Jairo e sua fiel escudeira Claudia, obrigado pela acolhida sempre afetuosa e pelo profissionalismo.

A minha querida esposa Betinha, obrigado por acreditar em meus sonhos e se deixar conduzir neste oceano flutuante de novos horizontes.

Por fim, um brinde a todos!!
Abraços,
Paulo Ayroza

POSTADO POR PAULO AYROZA, 17 DE ABRIL DE 2010


Caro Cabinho
Tomei um susto hoje quando o Zezo pediu para abrir minha caixa de correspondencia para ver os emails.

Confesso que num primeiro momento tive vontade de chorar tamanha emoção sentí ao ler os emails trocados por vocês.

Refeito, liguei para ele parabenizando-o pela iniciativa, e só agora passadas algumas horas escrevo este para você, idealizador do Brenda.

Desnecessário mencionar as qualidades do barco, seu projeto, a navegabilidade e segurança que ele proporciona a sua tripulação. Se ele está nestas condições é porque além de ter sido muito bem construido, foi muito bem mantido pelo Thadeu e seguí ao pé da letra as suas recomendações: cuide bem do Brenda. As mesmas palavras diria um pai ao entregar sua filha para o noivo no altar diante de tantas testemunhas. No nosso caso, não havia tantas testemunhas, sómente ele minha esposa Edna e eu. Contudo assumí este compromisso, até porque faz parte do meu caráter.

Já se passaram 12 anos e guardo com carinho estas lembranças. Sei que o Thadeu segue feliz com o Aya. Os irmãos do Brenda navegam sempre intensamente. O Jornal é quase nosso vizinho e dos demais tenho notícias através de amigos espalhados por este mar afora.

De todas as qualidades que o Brenda possui a emoção contida nesta construção de madeira moldada e resina epoxy faz dele um ser vivo!

Estou muito feliz por ter o Brenda comigo e agradeço a você por tê-lo idealizado.

Grande abraço
Vicente Palazzo De Marino - Joinville/SC

POSTADO POR VICENTE PALAZZO DE MARINO, 13 DE DEZEMBRO DE 2008


Olá Alvaro
Agradeço você ter mandado a súmula do campeonato Norte Catarinense de vela de oceano, assim como a linda foto do Brenda. Conheci o Vicente, há muito tempo atrás. Ele é bem cuidadoso com o Brenda. O barco parece estar novo em folha, em muito melhor estado do que outros barcos da mesma idade. Quando desenhamos o casco do Brenda, ele era bem diferente dos barcos contemporâneos. Pena que aquela fórmula infeliz, a IOR, induzisse os barcos a terem popas tão estreitas.

Fico feliz pelo fato do Brenda estar tão bonito. Astrid, minha filha, que agora mora na Austrália, era bem pequena quando íamos para Búzios seguir a construção de perto. Se no Brasil se preservasse a memória, esse barco teria um reconhecimento especial, pois foi o primeiro madeira/epoxy do Brasil, e veja só, está novinho em folha. Também é o único modelo de casco brasileiro que já teve dois barcos que deram a volta ao mundo, o Jornal e o Hipocampus. Vale também ser um casco que ainda hoje veleja tão bem.

Agora temos dois bons representantes de nosso design aí na sua região, o Brenda, que lembra o início da carreira, e o Bicho Grilo, que é desenho recente. Nosso gosto pela luta continua o mesmo, apesar de todo esse tempo.
Cabinho

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS


Brenda

Gente, meu nome é álvaro Albuquerque e estou escrevendo a vocês para comunicar e pedir uma ajuda.
Sou tripulante do Brenda, primeiro Samoa 29 datado de 1975 ( pelo que sei ). Hoje o Brenda está no Capri Iate Clube, em São Francisco S.C. Seu proprietário Vicente Marino, mantém o Brenda com um esmero impressionante.O barco está perfeito, lindo, pronto para uma volta ao mundo.

Mas o que me fez escrever a vocês é comunicar que o Brenda foi campeão por antecipação na classe cruzeiro na FNCVO ( federação norte catarinense de vela oceanica ). E eu gostaria que o Cabinho enviasse ao Sr. Vicente Marino umas palavras de parabenização pelo feito e principalmente pelo zelo no trato ao Brenda, que sem exagero é digno de menção.

Agradeço desde já. Bons Ventos.

álvaro Albuquerque.

POSTADO POR áLVARO ALBUQUERQUE - São FRANCISCO DO SUL, 6 DE DEZEMBRO DE 2008.


Oi Cabinho!

Muito obrigado pelo carinhoso email!! E obrigado também por um dia você ter tido a inspiração de criar nossa casa pois se não fosse ela dificilmente teríamos tantas coisas boas pra contar. A viagem realmente está sendo maravilhosa mas o astro principal que tem nos dado conforto e segurança para podermos usufruir de tudo que temos realizado é nosso querido Gandaia. Se depender de nós muita gente irá se mudar pra um veleiro, nós estamos amando esta vida!!

Muitos beijos,

Valeria e Luiz

POSTADO POR VALéRIA E LUIZ GOLDFELD - IATE GANDAIA / NATAL, 8 DE NOVEMBRO DE 2008


Oi Cabinho,

Como tinha lhe falado, neste final de semana passado fizemos a nossa primeira singradura internacional com o Sirius para o porto de Colônia-Uruguai.
Saímos sexta-feira às 14:35 quase sem vento e o rio liso sem ondas: mesmo com as velas içadas íamos com o Yanmar para manter uns 5 nós. A idéia era chegar antes de anoitecer pois era a nossa primeira vez indo para Colônia e não conhecíamos a entrada. As 20h00min atracamos no píer de madeira (5 horas e meia para fazer 20 milhas).

Curtimos sexta à noite e o sábado todo com tempo ensolarado, muito bom!!! Mas a previsão do tempo para a volta era de fortes ventos de sueste (ou seja, quase em contravento para nosso rumo sul). Domingo pela manha o porto foi fechado por causa do vento e das ondas, e só abriu ao meio dia. As 15:00 hs saímos junto com um outro veleiro de 26 pés, também indo para La Plata. Nós como a grande na primeira forra e a buja totalmente desenrolada. Eles com a grande inteira e a buja a um 50%. O vento soprava a 35 km/h com rajadas de 45 km/h e as ondas...bem, aquelas que você conhece!!!. Saímos proa com proa mas logo começamos a deixá-los para trás. Fazíamos 6,5 nós orçando ao máximo com picos de 7, 2 nós (segundo o GPS), adernados o tempo todo a 20-30 graus.

Resumo da opera: as 18:00 hs chegamos no porto de La Plata após 3 hs de navegação (20 milhas ...ou seja uma velocidade média de 6,66 nós na orça!!). O outro barco mal se conseguia vê-lo no horizonte e chegou uma hora e quinze minutos depois. Não sei se dá para compara os barcos, mas ele foi o ultimo ganhador da regata La Plata-Colônia em sua categoria. Ainda lembro as palavras do capitão do 26 pés quando reportou sua chegada. Eu lhe perguntei como haviam chegado e respondeu:.. "todo mundo enjoado e vomitando menos eu"..."vocês se foram longe pra caramba, hein!!!

A gente velejou com medo no começo mas logo estávamos rindo, confiantes no barco e curtindo o sobe e desce das ondas (e tomando banho com algumas delas!!!)
Estou escrevendo a historia completa da singradura. Em breve passo para você.
Estamos super felizes com a performance do Sirius!!!....

Abraço,

Daniel D'Angelo

POSTADO POR DANIEL D'ANGELO, 4 DE NOVEMBRO DE 2008


Olá pessoal da B & G Yacht Design

Nada como a experiência de viver a bordo para "saber" aquilo que érealmente importante num barco.
Em velejadas curtas de no máximo 2 dias, tudo é, de certa forma,tolerável. Por mais adversa que a situação esteja, sabemos que em poucas horas estaremos no clube ou na marina para um bom banho e uma comida quente (e um chopinho, por que ninguém é de ferro). Mas em longas jornadas vamos do céu ao inferno em questão de minutos!

No final de agosto, fui com o Rafael Coelho (que estagiou no escritório e fez a mesma viagem no FIU) e uma amiga, a Anne, levar um barco para Recife a fim de participar da Refeno. Alguns meses antes, neste mesmo barco, um autêntico cruiser-racer de trinta e poucos pés, fizemos um bate e volta em Cabo Frio para nos familiarizarmos, pois teríamos uma jornada mais longa até Recife. Tudo foi perfeito! Vento a favor, tempo bom e em excelente companhia fizemos uma viagem tranquila que deixou um imenso desejo de quero mais!!!

Só que 11 dias num barco sacudindo mais que cavalo xucro, entrando água pelas gaiútas, sem conforto, pouca água, tanque de diesel pequeno, desconfortável na cozinha etc, etc, etc... e ouvindo o Rafael falar que no FIU a essa hora eles estariam preparando uma deliciosa refeição sem maiores problemas, que o barco não caturrava daquela maneira, que nem rizar era preciso, que o barco era dócil e fácil de ser tocado e mais um monte de elogios só me deixavam mais frustrado. Foram longos dias de reflexão. Sei que a proposta do barco era essa, mas para mim, barco precisa ser confortável. Não digo luxuoso, mas as coisas precisam funcionar. Preferiria passar 20 dias num barco confortável do que 10 naquele sufoco. Você chega rápido (quando chega), mas ESGOTADO! Não estávamos em regata, era para ser um passeio, mesmo que enfrentássemos tempo ruim.

Apesar dos pesares, estou doido para voltar para o mar, mas espero que na próxima possa ser num barco projetado por vocês.

Um grande abraço.

Murilo Campos

POSTADO POR MURILO CAMPOS, 23 DE SETEMBRO DE 2008


Oi Cabinho.
Parabens pela entrevista na revista Nautica!! Eu acostumo compra-la quando venho no Brasil e grata foi a surpresa de ver voce dentro dela!. Coincidentemente nesta viagem trouxe novamente o seu livro "Do Rio a Polinesia" para, depois de pouco mais de 2 anos e meio voltar a lê-lo. A primeira vez foi "devorado" lá em Novembro de 2005 enquanto esperaba pelos planos do Sirius. Agora, segunda vez, no final da construção.

Vejo a dedicatoria que voce me fez no livro e sinto ainda mais orgulho de te-lo conhecido...tomara sobrara um tempinho para ( com tremenda cara de pau) te pedir a dedicatoria no final da obra!.
Um abração, com muito prazer de me sentir seu amigo.

Daniel D'Angelo

POSTADO POR DANIEL D'ANGELO


Meus amigos,
Adorei a reportagem da revista nautica, no que se refere a entrevista do Cabinho sincera cativante esclaredora e com uma dose de carin ho impresionante, so quem conhece o intrevistado sabe o que eu estou dizendo, agradeco tb a lembranca do SAMOA 36 que ja somos 7 irmaos indo pra agua, fica o meu agradecimento por tudo e principalmente de participar de perto dessa admiravel FAMILIA.

MANOLO

POSTADO POR MANOLO


Amigo Cabinho,
que bela reportagem.
Concordo com a mensagem abaixo. Você deveria ter uma coluna na revista náutica.
Um forte abraço,
Daniel Sequerra.

POSTADO POR DANIEL SEQUERRA


Olá pessoal, Tudo bem ?

Finalmente uma edição da Revista Náutico com mais vela.
Alem da reportagem que fala dos que vivem a bordo, tem uma ótima reportagem sobre o Cabinho.
Com tantas histórias que ele tem e pela sua importância como projetista e incentinvador de nós, construtores amadores, acho que ele deveria ter uma coluna em todas as edições.
Parabens Cabinho e muito obrigado

Abraços
Spinelli

POSTADO POR SPINELLI


Prezados Cabinho e Eileen.
Foi com muita satisfação e alegria que pudemos ler a reportagem feita sobre ti (vocês) na Nautica 238.
Merecida e um pouco tardia a reportagem citada.
Reuni todos os funcionários do estaleiro e pude ler a eles o que estava escrito.
Poderia ter sido a revista inteira!!!!!!!!!!!!!!!

Um grande abraço do amigo, admirador e seguidor.
Moeller e equipe Metallic Boats

POSTADO POR MOLLER E EQUIPE METALLIC BOATS


Oi Fernando
O último a sair apaga a luz.
Um abraço. Cabinho

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SEGUNDA, 21 DE ABRIL DE 2008 - 16h54


Tiro o chapeu para o expoente ,maximo do design nautico Brasileiro. Hoje em dia, ter um barco desenhado pelo escritorio do Cabinho e motivo de orgulho. Ha anos que assisto de longe a evolucao do trabalho do Cabinho, e mais tarde, com a inclusao do Luis. Como nao podia deixar de ser, num futuro proximo, assim que chegar a tao sonhada aposentadoria, estaremos cruzeirando num barco assinado por esse escritoio. Legal viu!

POSTADO POR FERNANDO RODRIGUES - SEGUNDA, 21 DE ABRIL DE 2008 - 12h44


Saudacoes da Australia e parabens a Revista Nautica pelas excelentes reportagens.

POSTADO POR ASTRID BARROS - DOMINGO, 20 DE ABRIL DE 2008 - 22h02


Fernando,
Tambem ganhei o dia com seu carinhoso e-mail

Obrigado

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 23h00


Vera
Suas palavras são muito gentis. No fundo do coração o que gosto mesmo é da liberdade que a vida de cruzeirista me proporcionou. como tinha que ganhar a vida, resolvi então ajudar os outros a conseguirem a mesma coisa.

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 22h57


Oi prima
Que bom que você se lembra das aventuras antigas. Um abraço forte

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 22h55


Oi Daniel
Espero que o Zait lhe faça esquecer por algum tempo o Aventura 40
Um abraço e obrigado

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 22h53


Oi Manolo
Não fosse a chave do sabadear que você me emprestou para mostrar às pessoas, não teríamos mais de duzentos Multichines 28 velejando ou sendo construidos em mais de dez países diferentes.

Obrigado pelas gentis palavras

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 22h49


Oi Moeller
quantos anos remando na mesma canoa, não é mesmo. Parabens pela linda reportagem do Kalugahê.

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 22h4


Olá Renato
somos dois veteranos que já fizemos muitas coisas pela náutica.Agradeço suas gentis palavras.

POSTADO POR ROBERTO CABINHO BARROS - SáBADO, 19 DE ABRIL DE 2008 - 22h40


Você e un grande homem, grande projetista e velejador
Parabens para tudo que você fez pela nautica Cabinho.

POSTADO POR RENATO GIUSEPPE CARLEVARIS - SEXTA, 18 DE ABRIL DE 2008 - 17h39


Justo e merecido o espaço cedido ao Cabinho e Eileen para esta entrevista.

Tenho tido o privilégio e o prazer de acompanhar os passos profissionais deste professor a muitos anos.
Um abraço fraterno a vocês dois.

POSTADO POR MOELLER - SEXTA, 18 DE ABRIL DE 2008 - 13h21


sou fan do cabinho por todo o carinho que ele e os integrantes da familia transmitem pra todos os sonhadores dos sete mares.e acreditem o cabinho e sem duvida o RAUL SEIXAS da nautica. todos vao querer ter um barco projetado por ele.vida eterna pra vc cabinho

POSTADO POR JOSE MANUEL GONZALEZ FERNANDEZ - SEXTA, 18 DE ABRIL DE 2008 - 07h13


Realmente o sr. Roberto é um genio, grande amigo dos navegadores, parabéns pelos seus serviços.

POSTADO POR DANIEL - TERÇA, 15 DE ABRIL DE 2008 - 13h17


Este Cabinho é um querido primo meu,filho de um irmão de mamãe. Desde pequena que sempre sempre soube de suas aventuras "nauticas" do primo Roberto e do aumento dos cabelos brancos do tio Joao (pai) e tia Liná (mãe), pais do Roberto, irmão e cunhada de mamae. Sempre admirei este espirito "aventureiro"do casal e tenho inveja da coragem de ambos. É um casal super 20! Roberto puxou o avô por parte de mãe, o famoso Dr. Soledade que eu não tive o prazer de conhecer.

POSTADO POR MARIZA PIMENTA BUENO VELHO - TERÇA, 15 DE ABRIL DE 2008 - 08h56


Esse Cabinho é o nome mais importante do Brasil em design náutico. Se ele não fosse tão humilde como é, seria reconhecido como gênio por todos.

POSTADO POR VERA - DOMINGO, 13 DE ABRIL DE 2008 - 19h08


experiencia unica!

POSTADO POR OTTO - DOMINGO, 13 DE ABRIL DE 2008 - 15h37


Ganhei o Dia
abs

POSTADO POR FERNANDO MONTEIRO - SáBADO, 12 DE ABRIL DE 2008 - 21h44


Cabinho,

Valeu pelo passeio porque o salão é aquela mesma coisa de sempre, né?
Lanchas e lanchas... Sem graça! Mas gostei de ter visitado aquele barcão de madeira com bandeira alemã, meio esquisito, armado em junco. Você viu? Bem pitoresco. Bati um papo com o alemão que mora a bordo e foi divertido. Apesar de não ser meu ideal, é bom ver barcos que acumulam milhas navegadas por mais esquisitos que sejam.

Com o tempo o Tanpopo foi encolhendo e hoje me sinto mais tranquilo para manobra-lo sozinho, mas algumas coisas são mesmo trabalhosas e cansativas, porém nada que não se possa fazer sozinho com um pouco de criatividade e paciência. Passa o tempo e vou aprendendo alguns truquezinhos que facilitam a vida.

O barco está no seco agora repintando (a tinta da Tubolit deu problema e eles deram garantia total,) mas logo que sair vou partir para meu cruzeiro de verdade. Aí poderemos trocar muitos e-mails com a minha experiência. Com certeza vou ter um monte de coisas técnicas pra te perguntar!

Quanto à opinião de outras pessoas, até agora todo mundo adorou. Eu levei pra velejar um dia o dono de um veleiro de 42 pés também de strip-planking (lindo, feito no sul, se chama álibi-- você já ouviu falar? até o mastro/cruzetas são de madeira, tudo muito bem feito) e ele ficou impressionado, tanto com a performance do barco, quanto pelo fato dele navegar sozinho. Quando na vela, você pode largar o leme no meio (sem amarrar) que o barco anda sozinho. Mesmo a motor, na travessia de Ubatuba a Santos, eu e o Fábio amarramos a roda e depois
de algumas correções, andamos uns quarenta minutos no mesmo rumo sem tocar na roda!!

Abraço,

Rodrigo

Obrigado Rodrigo por ter entrado em contato. Espero que tenha valido à pena vocês virem ao salão, talvez para negociar algum equipamento.
Gostaria que um dia que você tiver com disposição, me contasse mais sobre o Tanpopo. Em minha opinião seu barco feito com madeira/epoxy é uma espécie de Ferrari da vela de cruzeiro, alguma coisa que deverá se valorizar sempre, mas visto por fora, nem dá para imaginar que é bem diferenciado dos barcos de plástico. Uma coisa você já me disse e eu, aliás, já sabia: ele é um pouco grande para uma pessoa só levá-lo sozinho. Em compensação o conforto interno é o de um pequeno apartamento.

Quando você fizer um cruzeiro maior, gostaria de saber detalhes, principalmente a opinião de outras pessoas sobre ele.
O Fábio que velejou contigo me passou um e-mail dizendo que gostou muito do barco.

Abração. Cabinho


Cabinho, bom dia.

A algum tempo lhe mandei um email, referente a um projeto de uma regata de comemoração dos 50 anos do nosso Grupo Escoteiro, que fica nas margens da Guarapiranga, barcos construidos pelos jovens, os Dinghy Caravela.

O projeto ja foi aprovado, temos fora nosso Grupo que ira construir pelo menos 10 barcos, mais 5 Grupos ja interessados e gostariamos nesta primeira edição chegar a 15 grupos e uns 20 a 30 barcos na água.

A regata sera entre os dias 30/10/2009 e 01/10.2009.

Iniciamos a construção de primeiro uma unidade com uma pequena equipe, para aprender melhor o processo, e estes jovens serem multiplicadores, para os outros.

Tb tive uma reunião com o Sr. Aristides, que foi de grande valia, se se colocou a disposição para nos ajudar em todo o processo de construção.

Ele falou para consultar vcs e verificar a possibilidade de se aumentar a "banheira", em 10 cm, ja que não vai ser usado em salvatagem, afim de aumentar o espaço. é possivel??????

No aguardo.

SAPS

Ralph
De São Paulo por e-mail


Olá Cabinho, Eileen e toda família!!

Que saudades!!!
Como estão?
Estão no Brasil ou já na Nova Zelândia?

Dei uma olhada no site de vocês e adorei a matéria do novo MC26!!! Espero que na Austrália o escritório esteja indo de vento em popa!!!
Parabéns e boa sorte nessa nova etapa de vida!!!!

Por aqui estamos caminhando com a obra do Ipê, e a popa se aproxima!!!! A cozinha já está construída e o banheiro quase! Estamos planejando começar o convés em finais de junho, para tentar laminar ainda antes das chuvas do fim de ano!!! Parece que está se aproximando o momento do Ipê ir para a água!!!

Cada vez nos ligamos mais ao barco, ele já nos abriga e está se tornando a nossa segunda casa.
Acho que um dia será a primeira...
Ele é lindo e nunca é demais dizer que o Projeto é demais!!!

Estamos precisando de uma torcida de vocês, seja lá onde estiverem mandem uma força positiva para a construção do nosso sonho flutuante!
Mas vai dar tudo certo.

Um grande abraço e muitas saudades de todos!

Vitor Moura
De Belo Horizonte, M.G. por e-mail


Caros amigos da Flab.

Sou instrutor de vela em Ubatuba, tenho uma escola, onde ministro diversos
tipos de cursos de vela.

Sou amigo do Rodrigo do Tanpopo. Tive a feliz oportunidade de velejar o
barco em algumas oportunidades, e de levá-lo para o Guaruja para repintura.
Também tive a oportunidade de conhecer o Vida-dura.

Quero parabenizá-los! Os barcos são simplesmente o máximo! Construção 100%,
acabamento 100%, marcenaria 100%. Fiquei realmente muito bem impressionado
com a qualidade das embarcações. Sou um fã de clássicos, e de barcos com
pedigree, e poucas vezes tive a oportunidade de ver barcos tão bons.

Sem sombra de dúvidas indicarei vocês para meus clientes. Embora sejam
barcos caros, são exemplos a serem seguidos.

Grande Abraço
Bons ventos

Fabio Martins Rivetti
De Ubatuba, S.P. por e-mail


Grande Cabinho meu amigo!

Novamente venho aqui elogiar seus projetos.

Velejei esses dias com o Tanpopo e com o Rodrigo. Demos a volta na Ilha Anchieta.

Saimos de genoa 1, com um vento de aproximadamente 10 nós, o barco andava bem, me surpreendendo pelo desempenho para um barco de cruzeiro.

Imaginei que seria uma boa comparação pois a poucos dias havia feito o mesmo velejo no Arctia (aladin 30), quando saimos com ventos de 10 e pegamos ventos de 35 nós. E o foi!

A chegar no Ilhote sul, notei a rápida aproximação de uma tempestade de verão, trocamos a Genoa 1 pela buja de punho alto, e fizemos o 1° rizo.

Entrou um vento forte, de uns 27 nós, com muita chuva.

Vento pelo través, amuras a bombordo, o barco se comportava como um puro sangue, sem tendências a orçar, e bem rápido (e olha que sou regateiro, velejador de HPE-25)

Notei que o Samoa 36 (pode ser regulagem da mastreação (rake, curvatura, etc)), tem maior eficiência de leme que o Samoa 30, e é bem mais veloz!
Excelente barco! Fantastico!

Tenho um bom amigo, que é proprietário de um Fast 310.
Ele esta querendo um barco mais confortável. COm relação a valores, ele pretende gastar em torno de R$150.000, e quer um barco para velejar, não para construir.

Sugeri que ele procurasse por um Aladin 30, nessa faixa de preço, o que mais ele pode encontra (Barco bom, bem construido e acabado).

Quais dos projetos na faixa de 30 a 37 pés que tem o melhor desempenho? A ideia não é um barco de regatas, mas a ideia é as vezes correr uma ou outra regata de percurso.

Grande Abraço

Fábio Rivetti
De Ubatuba, S.P. por e-mail