Grupo de discussão sobre construção Amadora

Clique aqui para ENTRAR NO FÓRUM

Este é o local onde construtores amadores do Brasil todo podem trocar experiências, endereços de fornecedores e dicas. Se você já construiu um barco, está construindo ou apenas se interessa pelo assunto, PARTICIPE!

Este fórum também está aberto a qualquer dúvida que você tenha sobre os nossos projetos ou métodos de construção.

Se você tem alguma sugestão ou experiência que queira relatar, será também muito útil para o nosso grupo de velejadores e construtores.

Se você estiver com dificuldade de se inscrever no Fórum, nos envie um e-mail e nós procederemos com a sua inclusão.

Realidade e fantasia sobre a preparação de um veleiro de cruzeiro oceânico

Como profissionais de projeto de iates com dedicação especial aos planos de veleiros para construção particular, recebemos inúmeras consultas de pessoas mais ou menos saturadas com o estado das coisas no mundo atual, nos informando estarem dispostas a obter um veleiro para sair por aí em uma longa viagem.

Geralmente nos contam seus problemas, suas desilusões e a vontade de fazer alguma coisa que justifique um pouco mais sua existência.
Em princípio temos grande simpatia por este tipo de gente pois afinal basicamente desejamos a mesma coisa, mas na maioria das vezes abre-se um fosso muito grande entre os dois lados quando nosso correspondente começa a tirar os pés do chão informando-nos que deseja um veleiro de tamanho suficiente para acomodar com conforto e segurança ele e sua família, mas que infelizmente não dispõe nem de muitos recursos nem de experiência prévia. Em seguida nos pergunta quanto custa realizar este sonho e se num determinado período seria viável completar seu projeto de vida.

Basicamente este questionamento é correto para todo aquele que deseja tomar uma atitude radical à sociedade estabelecida convencional, da qual queiramos ou não todos fazemos parte. Mas será que estas pessoas estão no caminho certo?

Vejamos duas possibilidades e dois caminhos bem distintos. Um potencial cruzeirista encontra e acaba adquirindo um veleiro de segunda mão na faixa dos 40 pés por um valor hipotético de 60 mil dólares, barato para um barco deste porte, pagável em 20 prestações de 3000 dollars o que representa toda a sua disponibilidade. Outro velejador inicia a construção particular de um veleiro de 30 pés, cujo preço final ele não tem muita certeza de quanto será, mas sabe que também pode dispor de um fluxo de caixa de aproximadamente três mil dollars mensais. O primeiro personagem ao comprar um barco velho avalia que terá que gastar mais uns 30 mil dollars para deixá-lo em bom estado mas tem que esperar 20 meses somente para poder quitar a aquisição e só então iniciar a obra. E enquanto isto vai se endividando mais ainda com estadia e outras despesas inevitáveis. Em vinte meses o outro barco está pronto para ir para qualquer lugar e seu dono não deve nada a ninguém. Enquanto isto o barco de 40 pés não só foi se estragando como também se tornando ainda mais obsoleto e no final das contas se um dia ficar pronto em condições de sair mundo afora, terá custado provavelmente outros U$60 mil a mais e não os U$30 mil previstos, o que é a regra em todas as reformas. Neste meio tempo o barco menor já terá navegado uma barbaridade e sendo novo em folha terá dado o mínimo de manutenção ao seu proprietário. Por outro lado a grande chance é a de que o proprietário de 40 pés acabe não fazendo cruzeiro em face dos inúmeros problemas que podem surgir durante todo esse tempo, seja com sua embarcação, seja com sua vida pessoal.

Os exemplos antagônicos se aplicam a vários tamanhos de barco e a diversos potenciais financeiros, mas como a maior parte das pessoas pertence à categoria do primeiro exemplo, existem muitos sonhadores e somente uns poucos realizando estes sonhos.

Em nosso modo de pensar a forma mais segura de sair mar afora é ter o melhor barco possível tanto em qualidade de construção quanto de equipamentos. Se os recursos não forem grandes deve-se reduzir o tamanho do barco mas nunca abaixar o nível de qualidade. Quase todos os cruzeiristas brasileiros mais conhecidos fizeram seus próprios barcos com todo o capricho, ou então os encomendaram a um estaleiro ou os compraram prontos, escolhendo a dedo seu modelo, nunca voando mais alto do que seus recursos lhe permitiram.

Muitas vezes recebemos consultas totalmente fantasiosas e as pessoas parecem ficar decepcionadas quando dizemos que não acreditamos muito nos seus planos. Cada um sabe de sua vida, mas na prática constatamos que determinação e bom senso são os fatores mais importantes para transformar um sonho em realidade.

De forma alguma queremos sugerir que o barco menor é mais adequado para empreender um longo cruzeiro. Até mesmo compreendemos que quem viaja a bordo do seu veleiro pode precisar de ganhar a vida dentro dele, e isto pode abranger as mais variadas atividades, desde o charter, a mais óbvia, até mesmo trabalho em informática, por exemplo, que hoje em dia pode ser realizado em qualquer lugar. Neste caso o barco maior é sem dúvida mais adequado mas também seu custo operacional é maior. Por ironia geralmente quem menos precisa de trabalhar para ganhar dinheiro na nova vida é quem pode dispor de um veleiro maior. Mas também em nossa opinião o barco menor não é necessariamente menos adequado para um cruzeiro longo, principalmente quanto ao fator segurança. Mas isto já é um outro capítulo. O que deve ser considerado cuidadosamente para reflexão é o fato de alguns conseguirem fazer longos cruzeiros bem sucedidas com seus veleiros e outros não atingirem seus objetivos. As razões para esta diferença crucial são exatamente as que separam a realidade da fantasia.