Samoa 28 - Um barco para fazer história

Se existe um plano de estoque que acreditamos que virá a ser uma contribuição à vela de cruzeiro, esse projeto é o Samoa 28. Vários desses barcos já estão velejando, no entanto, apesar de o desenho ser adequado para realizar qualquer tipo de cruzeiro oceânico, até agora nenhum deles foi posto à prova em um cruzeiro mais arrojado. Mas estamos confiantes que isso seja apenas uma questão de tempo. Afinal nem todos os construtores amadores desejam fazer grandes aventuras. O importante é que sabemos que o barco é forte como uma rocha e veleja muito bem, especialmente em mal tempo.

O primeiro barco da classe a ficar pronto foi o Sirius, construído em City Bell, Argentina, pelo geólogo Daniel D`Angelo. Esse barco ficou muito bem construído, o que ajudou em muito a classe a se expandir. Como Daniel era um velejador iniciante na época em que construiu o Sirius, não sabia bem o que realmente desejava de um barco oceânico. Com o passar do tempo foi descobrindo que cruzeiro não era muito a sua praia, e ao assumir que regata é o que realmente gosta de fazer, decidiu transformar seu veleiro em uma máquina de competição, para isso tendo retirado muito peso do barco, aumentado a área vélica e colocado uma quilha mais profunda e com centro de gravidade mais baixo. Agora em 2015 o resultado dessa transformação está se demonstrando ter sido um sucesso e o Sirius está mostrando que possui dentes afiados.

O Sirius na temporada de regatas de 2015 no Rio da Prata deixando muitos barcos bem maiores e absolutamente projetados para competição para trás. Foto publicada por Daniel D`Angelo no Face Book

Depois do Sirius, que está mais vivo do que nunca, foram se sucedendo outras inaugurações, e isso parece que irá ficar cada vez mais frequente. É óbvio que um barco projetado para atravessar oceanos levando famílias para lugares distantes não é o mesmo para entrar em regatas de curta duração com boas chances de vencer, mas é um prazer saber que o mesmo casco permite realizar as duas coisas. Para o cruzeirista, saber que seu veleiro tem as formas de um casco veloz, somente ficar comprovado esse fato já é uma grande vitória.

***

O segundo barco da classe a navegar foi o Terrius, construído em Ubatuba por Bernardo Sampaio. Esse barco ficou fora de série, e sobre ele já publicamos em nossas notícias um e-mail que Bernardo nos enviou dizendo como estava contente por ter optado por esse veleiro. Nós achamos o Terrius, tanto externamente, quanto pela decoração de seu interior, o barco mais aconchegante que se possa imaginar, do tipo que dá vontade de construir um igual.

Samoa 28 Terrius, construído por Bernardo Sampaio. Um veleiro como esse é o sonho de consumo de muitos cruzeiristas.

Bernardo tem aproveitado bastante seu barco, e do jeito que o Terius é bem construído, poderá continuar proporcionando cruzeiros inesquecíveis à família por muitos e muitos anos. Assim como o Sirius, o Terrius também ajudou muito a difundir a classe, que agora já goza de inegável prestígio entre nossos projetos.

O interior do Terrius é de um gosto de dar agua na boca. É sem dúvida um dos barcos mais aconchegantes já fabricados por nossos clientes. Cortesia: Bernardo Sampaio

***

Continuando a relatar os principais Samoas 28 sob os quais temos boas informações, o terceiro Samoa 28 que temos notícias de ter ficado pronto foi o Everest, construído por Moacir Ribeiro no estado do Paraná. Esse também ficou muito bem feito. Sabemos que nosso cliente está muito feliz com o resultado de sua construção.

Everest é o típico Samoa 28 construído para proporcionar grandes momentos quando velejando com a família reunida. Moacir optou por construir um dodger rígido e colocar um Bímini saindo do dodger e indo quase até a targa, onde as vezes pendura o inflável. Mesmo prejudicando um pouco o desempenho por acrescentar peso excessivo à popa, o conforto que essa solução oferece não tem preço. Cortesia: Moacir Ribeiro

***

Um Samoa 28 que foi inaugurado a relativamente pouco tempo é o veleiro Furioso fabricado pelo construtor amador Jorge Dias, de Curitiba, Paraná. Jorge Dias tem um blog com link de nosso site no qual relata toda a saga de construção, desde a aquisição dos planos até os dias de hoje, já desfrutando de todas as alegrias que um veleiro de cruzeiro pode proporcionar.

Samoa 28 Furioso em uma de suas primeiras saídas. Familia e convidados curtindo as primeiras emoções de realizar um cruzeiro a vela. Cortesia: Jorge Dias

Momento histórico, pois talvez esse tenha sido o primeiro encontro de dois Samoas 28 na água. O Everest de Moacir Ribeiro, e o Furioso, de Jorge Dias, se encontram no litoral do Paraná. Duas construções amadoras e duas famílias que estão curtindo o prazer de terem um veleiro de Cruzeiro com C maiúsculo. Cortesia: Jorge Dias

***

Mais um Samoa 28 foi inaugurado. Em abril de 2015 foi para a água o Caprichoso de Vinícius Suppione. Esse barco foi praticamente construído pelo proprietário, mas os últimos acabamentos foram realizados por Flávio Rodrigues (Estaleiro Flab), o mestre da construção sob encomenda no Estado de São Paulo. Vinicius tem um blog com link desde nosso site, de modo que é possível conhecer todas as etapas da obra. O barco realmente fez jus ao nome. Toda a construção ficou um primor de qualidade. Vinicius preferiu instalar todas as vigias de abrir nas laterais da cabine, em vez de seguir o projeto, que especifica um par de janelas para iluminação e um par de vigias de abrir. A ventilação ficará sem dúvida mais eficiente.

Esse Samoa 28 ficou muito bem acabado. Seu construtor, Vinicius Suppioni fez um serviço para ninguém botar defeito durante a maior parte da obra. No entanto, para andar mais rápido sem perder o foco na qualidade, no final da obra decidiu deixar os últimos acabamentos aos cuidados do renomado estaleiro Flab, de Campinas, S.P. A construção ficou realmente impecável. Cortesia: Vinícius Suppioni.

***

Para entender melhor porque o casco do Samoa 28 é potencialmente tão veloz vale a pena analisar o mais recente casco de barco da classe virado de cabeça para cima. Esse, aliás, ficou uma obra prima de marcenaria naval. Trata-se do Farofa, construído por Hilton Monteiro, em Vitória, Espírito Santo.

Hilton já é construtor veterano de nossos barcos, pois construiu o belíssimo MC26C Fura Bolo, com o qual tem velejado bastante. Como gostou da experiência e tem um incrível talento para construção de embarcações de recreio, dessa vez partiu para realizar a construção de um Samoa 28, e olha o resultado!

Hilton Monteiro está construindo o Samoa 28 Farofa em Vitória, Espirito Santo. Esse é o casco em strip planking mais sofisticado que já conhecemos. Cortesia: Hilton Monteiro.

Fico imaginando como esse barco deverá ser quando terminar a obra. Vai até dar pena usá-lo para não gastar nada:)

Quem não gostaria de ter um casco desses? Hilton Monteiro entra em sua obra prima recém virada de cabeça para cima. Cortesia: Hilton Monteiro.

***

Poderíamos nos estender mostrando outros Samoas 28 em construção ou navegando para ilustrar o vigor com que essa classe se expande. No entanto vamos deixar para outra vez para falar mais desse nosso projeto que tanto gostamos. Acreditamos fortemente que o Samoa 28 seja realmente excepcional. Que ele é um excelente barco de cruzeiro, isso já sabíamos. Mas agora fica confirmado que seu casco tem bom potencial de velocidade em regatas.

Clique aqui para saber mais sobre o Samoa 28