Barcos do Escritório em Viagens Internacionais

Neste final de ano uma frota de barcos do escritório está se deslocando para o Caribe, não necessariamente em conjunto, mas mais ou menos em contato.

O Kiribati 36 Green Nomad já estava na Guyana Francêsa desde Janeiro, e seguiu viagem para Tobago em Novembro.

Kiribati 36 Green Nomad numa maré baixa

O Samoa 34 Luthier saiu de Paraty e em Novembro estava em Natal, de onde seguiu para Tobago também.

Samoa 34 Luthier em Búzios

Em Natal agora estão o Aladin 30 Carapitanga e o Multichine 41 Piatã, que devem seguir em breve. Com certeza outros também devem estar se preparando, pois uma constante dos barcos construídos por amadores a partir de projetos da nossa equipe é que uma porcentagem grande realmente acaba se tornando um barco de cruzeiro de longo curso e dando o tão esperado retorno aos que tanto se esforçaram para completá-los.

Um dia tanto trabalho se transforma num barco que leva seu construtor aos destinos com que sempre sonhou

As tripulações do Green Nomad e Luthier já tem contato de longa data, tendo se encontrado em Paraty em 2012, após a primeira viagem para a Europa do Luthier. Luis e Marli construíram o Kiribati 36 entre 2008 e 2010 no Rio Grande do Sul, e Dorival e Catarina construíram o Luthier entre 2004 e 2008 numa chácara da zona rural de Campinas.

O encontro dos dois agora em Tobago não foi por acaso, e a chegada com apenas 3 horas de diferença na baía de Charlotteville, no extremo Norte da Ilha pode ser explicada.

Green Nomad dentro de um rio na Guyana Francêsa

Marli do Green Nomad observa o entardecer dentro do rio Vaches, um tributário do Rio Maroni, na Guyana Francêsa

Há muito tempo os dois se comunicam através do rádio SSB, na frequência que antes era operada pela saudosa Dona América, de Curitiba. O Green Nomad ficou dentro dos rios próximos á cidade de Saint Laurent du Maroni, na Guyana Francêsa, explorando a floresta amazônica e aguardando o Luthier chegar a uma distância conveniente durante o seu trajeto de Natal a Tobago, e no momento propício saiu para o mar. O planejamento foi bom e após 2 dias de viajem os dois barcos se posicionaram de forma a ficarem a mais ou menos 20 milhas náuticas de distância, o que permitia a comunicação via rádio VHF a qualquer momento.

Luthier e Green Nomad ancorados na baía de Charlotteville em Tobago

Catarina e Dorival no cais de Charlotteville

O Luthier pretende seguir para o Norte, passando pelas Ilhas do Caribe e depois cruzar o Atlântico Norte rumo aos Açores e depois Europa continental, retraçando a viagem que já fizeram entre 2010 e 2012.

Feijoada a bordo do Luthier em Tobago

O Green Nomad vai seguir depois para o Oeste, rumo ao Panamá e depois para o Oceano Pacífico, também retraçando sua primeira viagem (com outro barco) realizada entre 1997 e 2006.

As águas azuis de Tobago

O Aladin 30 Carapitanga tem planos de uma volta ao Mundo, via Canal do Panamá, e Felipe e Viviane participaram da Refeno deste ano e seguiram para Natal. No momento se preparam para seguir para o Caribe com algumas paradas ao longo da costa Brasileira.

Felipe e Viviane a bordo do Carapitanga

O Carapitanga está seguindo para o Caribe

O Multichine 41 Piatã vai primeiro aproveitar o Caribe.
Os barcos, projetados para cruzeiro de longo curso mas sem esquecer as qualidades marinheiras à vela, permitem um deslocamento bem econômico, pois mesmo com pouco vento asseguram milhagens diárias boas, tornando o motor auxiliar digno desse nome, para auxílio de manobras em saídas e chegadas, sendo praticamente desnecessários em viagem. Menos gasto para as tripulações e pouco impacto ambiental aumentam a satisfação nas viagens.

Green Nomad avança a 6 nós nos ventos alíseos

Onda grande de popa, mas que nem chega a borrifar o cockpit devido à grande reserva de flutuação

Vamos continuar seguindo estes e outros barcos em suas viagens pelo mundo. Se os leitores e leitoras souberem de outros barcos iniciando viagens internacionais ficaremos contentes de ouvir seus relatos e informações.