Samoa 28 - Porque esse projeto é tão estimado

Um dos projetos do nosso escritório que mais temos promovido é o Samoa 28. A razão desse tratamento privilegiado é em parte subjetiva, mas na prática é uma constatação: O Samoa 28 é o nosso projeto que mais tem apaixonado nossos construtores amadores.

Samoa 28, o veleiro da família. Só quem fez um cruzeiro a vela para um país vizinho logo após seu barco ter ido para a água sabe o prazer que isso pode proporcionar. Viagem do Sirius à Colônia, Uruguai. Cortesia: Daniel D'Angelo

A confirmação dessa preferência pode ser medida pelo número de blogs de construtores amadores com relatos apaixonados exaltando a construção de seus barcos. A causa desse estado de espírito por parte de nossos construtores pode ser a certeza de terem feito uma boa escolha. Não que o Samoa 28 seja significativamente mais barato de ser construído do que qualquer outro veleiro de vinte e oito pés, mas pelo fato dele ser mais completo e mais preparado para realizar passagens oceânicas ou para se morar a bordo. Ora, se alguém dedica um grande esforço para conseguir alguma coisa e sabe que aquele esforço será recompensado com um produto de qualidade diferenciada, aí então a motivação para seguir em frente é sem comparação. É sem dúvida por isso que o clube dos construtores de Samoa 28 é tão animado e não pára de crescer.

Se o Samoa 28 não tivesse um baixo calado (1,50m com a quilha versão cruzeiro) e não fosse tão fácil de ser manobrado, dificilmente poderia entrar em recantos tão paradisíacos. Foto: Daniel D'Angelo

O barco de 28 pés é de um tamanho mágico. Ele já possui um bom pé direito dentro da cabine, 1.85m no caso do Samoa 28, enquanto oferece um conforto interno suficiente para uma pequena família morar a bordo. Alem disso sua inércia já é suficiente para enfrentar mar de proa com altivez, o que é o grande diferencial entre o Samoa 28 e outros barcos de seu porte. Isso se deve ao fato de não ser excessivamente leve e ter uma quilha com bulbo com baixo centro de gravidade.

O interior do Samoa 28 é adequado para uma pequena família morar a bordo. O camarote privado à popa com hall de entrada com pé direito e sofá é um luxo para um barco desse tamanho

Estamos convencidos que os barcos de oceano desse porte irão se tornar cada vez mais populares. Estamos entrando em uma era de consumo sustentável quando será cada vez menos politicamente correto pensar apenas em ter o maior e o mais caro, mas, ao contrário, dar preferência ao melhor e o mais durável. Se você pode fazer a mesma coisa gastando menos e sendo muito mais auto-suficiente, para que irá querer gastar mais e ainda ser mais dependente.

O casal D'Angelo saboreando uma das primeiras refeições no interior do recém-inaugurado Sirius. Foto: Daniel D'Angelo.

Estamos seguros que os fatores mais importantes que fazem um barco de cruzeiro proporcionar momentos agradáveis a seus tripulantes por períodos mais prolongados são relacionados a existir um equilíbrio entre a área social e as acomodações para pernoite. Quem possui um veleiro de 28 pés com uma sala com mesa fixa capaz de acomodar até seis pessoas, um bom banheiro e uma cozinha de dar inveja em donos de barcos bem maiores, além de ter uma ampla mesa de navegação e um camarote privado do proprietário, não vai sentir interesse em possuir um barco maior por nenhum motivo.

Sirius navegando no Rio da Prata. O Barco é bem dócil de ser velejado tendo o leme leve como uma pluma. Cortesia: Daniel D'Angelo

A galera dos que vestiram a camisa da classe Samoa 28 está ficando bem numerosa. Só de blogueiros relatando suas construções temos cinco com links de nosso site. São eles na mesma sequência como estão relatados em nossa página de links: Everest, Sirius, Caprichoso, Furioso e Baleia. Em cada um deles você pode ler o relato completo da construção até o estágio atual, e pelos textos dá para constatar o orgulho e o carinho que cada um tem pela obra que está realizando. Desses o primeiro a ficar pronto foi o Sirius, construído pelo geólogo argentino Daniel D'Angelo, um construtor amador que nunca fizera um barco antes. Pois bem, tão logo inaugurou seu barco Daniel atravessou o Rio da Prata e partiu para um cruzeiro pela costa sul do Uruguai visitando lugares paradisíacos aonde só se chega com um barco de recreio. Não é de causar surpresa que a família tenha se apaixonado pela vida de cruzeiristas

O Samoa 28 Terrius é um show de bola. Nessa foto ele está ancorado em frente à Ilha de Anchieta no litoral paulista. Cortesia: Bernardo Sampaio

A classe Samoa 28 apesar de ser bem recente já está bem estabelecida. Hoje temos construtores nos mais diferentes países, com muitos barcos na reta final de construção e alguns já navegando. O que é mais gratificante para nós é saber que o pessoal está bem contente com a escolha. Como o prestígio de um modelo depende da satisfação de seus proprietários, temos tudo para imaginar que a carreira do Samoa 28 só está começando,

Clique aqui para saber mais sobre o Samoa 28