Multichine 28. Vinte anos de história

Roberto Barros

Como passou rápido! O MC28 está fazendo vinte anos! Em um artigo recente contamos que o conceito teórico desse veleiro vitorioso foi concebido em longos papos de cockpit durante uma viagem ao Oceano Austral a bordo do veleiro Maitairoa. No portal do projeto em nosso site na internet existe um link  História  onde contamos os principais fatos sobre os primeiros dez anos da classe, mas de lá para cá já se passaram outros dez anos, e, como no caso de um vinho de boa safra, cada ano que passa o projeto vai se tornando cada vez mais consagrado como um dos melhores barcos de cruzeiro de seu porte.

Sabadear, de Manolo Fernandes, o primeiro MC28 a navegar.

O projeto levou algum tempo para ser concluído, mas antes mesmo de estar totalmente finalizado já existiam as primeiras unidades em construção. Foi, no entanto, no ano de 1992 que o primeiro MC 28, o Sabadear, de José Manuel Gonzales Fernandes, foi para a água na Cidade de Cabo Frio, Estado do Rio de Janeiro. Esse acontecimento é relatado no link  História da página do MC 28 em nosso site, assim como nos referimos aos barcos que ficaram prontos em seguida, como o Utopya de Breno Faria Lima e o Tatuamunha de Fábio Orsini, construídos em Recife, e que pouco depois estavam navegando em águas nordestinas. Mas os dois barcos que trouxeram mais informações para o escritório, pois foram construídos pela família Barros, que elaborou o projeto, com a colaboração do amigo Roberto Ceppas, foram sem dúvida o Makai e o Fiu, os dois MC 28 que realmente popularizaram a classe.

Trabalhar em um projeto, construir um barco e depois navegá-lo intensamente, além de passar uma longa temporada morando a bordo, é sem sombra de dúvida a melhor maneira de se ficar conhecendo o modelo melhor do que ninguém.

Multichine 28 Fiu rompendo mar de proa quase sem adernar, como é sua característica. Fotos tomadas pela câmera automática durante a travessia de mil milhas feitas em solitário quando fui de Recife ao Rio de Janeiro sem fazer escalas.

Foi assim com o Fiu. Cada melhoramento feito no barco durante essa época era incorporado ao projeto. Mas, sem dúvida, foram as milhares de milhas navegadas que mais trouxeram conhecimento de causa, o teste definitivo tendo sido uma frente fria que me obrigou a entrar em capa por quarenta e oito horas na viagem em solitário que fiz de Recife ao Rio de Janeiro no ano de 2005 (veja em clube do Multichine 28, diário de bordo n° 22 no site em inglês) . Lembro bem que as ondas quebravam com fúria nos vidros das janelas frontais da cabine, enquanto que lá dentro tudo permanecia tranquilo e aconchegante como sempre.

Dois projetos que fizeram nome entre os planos de estoque do escritório B & G Yacht Design: o Cabo Horn 35 e o Multichine 28. Nessa foto tirada no Saco do Céu em Ilha Grande, estão a contrabordo o Cabo Horn 35 Tauá, de Ricardo Lepreri e o MC 28 Fiu construído por mim para uso de nossa família.

Como a classe está continuamente aumentando em número de construtores e de barcos concluídos, é frequente a chegada de notícias sobre lançamentos ou sobre um cruzeiro empreendido por algum de nossos clientes. A mais recente notícia que recebemos foi a de que o MC 28 Access, do construtor amador e aventureiro Flávio Bezerra, já se encontra no Pacífico, pronto para partir para a Polinésia (veja artigo recente que publicamos sobre esse feito em nossas notícias).

Multichine 28 Access é o veleiro da classe que até agora tem o maior número de milhas navegadas. No momento ele está em águas do Pacifico, tendo partido do Rio de Janeiro e velejado por todo o Caribe.

Nesses últimos anos temos recebido muitas fotos de MC 28 sendo inaugurados, ou que estão em reta final de construção. Aqui seguem algumas delas:

Multichine 28 Ayty, do engenheiro eletrônico Arapoan Fernandes. Esse barco foi construído com muito carinho e ficou um espetáculo. A foto em baixo foi tirada no dia do lançamento. Atualmente o barco está em Angra dos Reis, Estado do Rio de Janeiro

Kiriri ete, de Giovani Dal Grande, sendo lançado à água no Iate Clube de Florianópolis, Estado de Santa Catarina. Esse barco é um show de competência em construção amadora.

Multichine 28 sendo construído por David Cross, em Seattle, Estado de Washington, U.S.A. Como essa foto já tem algum tempo, acreditamos que o barco a essa altura do campeonato já esteja navegando. No último e-mail que Dave nos enviou informava que já tinha encomendado a quilha e que o barco já estava praticamente pronto.

Multichine 28 Marauder, de São Sebastião, Estado de São Paulo Brasil. Esse barco é o único que preferiu roda de leme até o momento.

Riccardo Guardalben

Multichine 28 Safo. Claudiné Franco, seu construtor está na reta final dos preparativos para realizar uma viagem programada de Paraty até a Ilha de Capri, no Mediterrâneo. Na foto de cima pode-se notar que Safo já está embrulhado para presente, pronto para ir para a água. Na foto de baixo Claudine já tira proveito de sua toquinha com sua família a bordo.

Em julho de 2012 temos barcos da classe sendo construídos em dez países diferentes (Argentina, Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, Grécia, Inglaterra, Nova Zelândia e Turquia), alguns deles tendo blogs ou sites em nossa página de links. Além disso, mantemos contato com muitos construtores, uns já navegando e outros ainda construindo, mas todos eles muito entusiasmados com seus barcos. Vejam esse e-mail que acabamos de receber de Vitor Moura e Luciana Alt, que estão construindo o Ipê, com site em nossa página de links, em Belo horizonte, MG:

Oi Cabinho!
Ficamos muito felizes em acompanhar o sucesso que o MC28 está fazendo por aí. Pra gente, o MC28 foi amor à primeira vista! Quando entramos no barco de vocês, na Marina da Glória, ficamos encantados e passamos a sonhar em construir um também. Agora estamos quase lá! Podem contar com a gente prá divulgar os pontos fortes do MC28, por onde a gente passar!

Abraços prá você e Eileen,
Luciana e Vitor

Esse ano temos a intenção de aproveitar o aniversário de vinte anos do projeto, e os muitos MC 28 que estão ficando prontos com planos de sair por aí em grandes cruzeiros, para publicarmos uma série de matérias sobre a classe. Novidades com certeza não irão faltar.

Clique aqui para saber mais sobre o Multichine 28.